quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Site Specific



Não há nada ou ninguém melhor que Richard Serra e seu Arco Inclinado para ilustrar este post . Polêmico, exagerado, mas venhamos e convenhamos, autêntico em sua especificidade.
Esta mania de juntar objeto com espaço ganha força a partir do minimalismo e das reflexões de seus idealizadores sobre objetos específicos (Judd). O desdobramento minimalista de se utilizar o espaço como meio na arte também é fundamental para se entender o Site Specific (especificidade espacial)fundando uma nova atitude na arte pública contemporênea (tudo bem diferente dos modelos de intervenção artística anteriores que vão desde monumentos comemorativos às esculturas públicas dos artistas modernos, que não deixam de ser monumentos comemorativos da modernidade). Ou seja, a nova justificativa do Site Specific é de uma arte capaz de ocupar um espaço determinado no entorno urbano e fazer deste espaço um elemento tão importante para a obra como a propria materia utilizada. Algo como um desenvolvimento do problema sobre o vazio na escultura moderna, isto é, o espaço circundante, assim como o espaço oco da escultura é algo que está contido na obra, não pode ser separado dela em absoluto.
Imagine se alguém iria propor, por exemplo, de despedaçar uma obra de Caro, deixar uma parte na Tate e jogar o resto fora? absurdo não é? Pois é isso que fizeram com o Tilted Arc de Serra. A obra estava numa praça, em frente a um edificio federal em NY; incomodando os traseuntes por estar ali tão imensa e sólida (e feia talvez, sem nenhuma qualidade sedutoramente pop). Foi deliberado que deveriam retirá-la de lá. Serra e os artistas fizeram alarde. Retirar a obra significava desmembrá-la, separar a peça de aço do espaço que ocupava era um sacrilégio artístico. Era amputar a obra de arte, era acabar com sua especificidade espacial. Estes foram os justos argumentos, mas nada impediu que o Arco fosse retirado. Tais argumentos eram por demais complexos para convencer os advogados e o público em geral. Tudo demasiadamente artístico, demasiadamente inefável para ser compreendido de forma direta e superficial.
Este é o raciocínio do Site Specific, sua singularidade espacial, sua relação estreita com o lugar que ocupa; não é necessário falar muito mais sobre isso.
Voltando ao Tilted Arc, confesso com vergonha que não sei qual foi seu fim, vou pesquisar, porém acho importante confessar minha ignorância sobre o seu paradeiro pois isso mostra quão destruído ficou o Arco depois de sua remoção, ou seja, muito se falou sobre sua polêmica existência enquanto estava lá, no seu espaço, com sua alma, por assim dizer, mas no momento em que de lá o retiraram já não nos interessamos por ele. Que fim levou? Morreu.

AULA Arte Pública


Nenhum comentário:

Postar um comentário